domingo, 28 de setembro de 2014

“DIAS SERENOS” de LUÍS PEDRO PROENÇA


A iluminação espiritual tem algo a ver com o ponto do espírito onde o alto e o baixo, o interior e o exterior, o superior e o inferior, o sonho e a acção, o real e o imaginário, deixam de ser percebidos contraditoriamente.
Assim que se começa a estudar o zen, uma árvore não é uma árvore, um rio não é um rio. Deixam de o ser. Assim que se atinge a iluminação espiritual, uma árvore é de novo uma árvore, um rio é de novo um rio. O método que consiste em não seguir nenhum método é o método por excelência.
Alguém duvida?  
O dia e a noite deixarão de opor-se. Na realidade, nunca se opuseram.
A raiz comum na imaginação será reconhecida. Sendo o exterior à imagem do interior, a vida será uma autêntica obra de arte. Na verdade, uma obra-prima única e inigualável.
O nosso intelecto é inegavelmente necessário para compreender as próprias limitações.
Segundo a experiência e perspectiva zen, o verdadeiro conhecimento é inseparável da experiência imediata. És posto à prova sozinho.
Mas se o homem olhar bem para dentro de si, adquire indubitavelmente a consciência superior da sua magnífica solidão, que o isola sim, mas não separa do resto da existência.
Aquele que é senhor de si mesmo, que é capaz de ouvir o que os outros dizem e não dizem, penetrando no pensamento com uma agilidade mental admirável, estará em condições indiscutíveis de compreender mil e uma coisas diferentes de uma realidade sem nome e sem forma definida.
A definição, mais ou menos clássica ou  mais ou menos académica, só satisfaz aqueles que querem  rotular o conhecimento separado da própria vida. O verdadeiro conhecimento não é rotulável nem hierarquizante. E nunca em momento algum deveria ser separado da vida.
O zen oferece-nos condições para que vivamos completamente livres do condicionamento das emoções negativas sempre nefastas, e da condição de alienados.
A humildade é portanto a condição número um para que tal suceda. Mas também não podemos esquecer a dedicação constante e diária para nos conhecermos e para vigiarmos o nosso comportamento inconstante.
No que à grande quietude do Poeta iluminado diz respeito, ele nunca está sereno por se dizer que a bendita serenidade é excelente. Está sereno porque a enorme e gigantesca multidão de coisas não pode jamais perturbar a sua serenidade, jamais!
As palavras fazem amor. As palavras- actos e não as que pressupõem actos.
Nós passamos a respirar as palavras – actos. Não há separação.
E isto só é possível com o zen. Ou não?
Quando “trabalhamos” somos como flautas e no nosso coração o murmúrio das horas, do tempo soa como música. Uma música harmoniosa.
E o que é trabalhar com amor? É tecer o nosso pano com os fios do coração, como se estivéssemos a tecer e moldar a roupa do nosso mais que bem amado universo em que viveremos.
Recordando o grande Poeta RABINDRANATH TAGORE diremos então que “ Sobre as tramas do nosso finito que é infinito e cuja tapeçaria bordamos quotidianamente nossas vidas, acaba sempre visível a mais ínfima nódoa!”
Por isso se torna vital a nossa harmonização interior para que expressemos um exterior muito mais transparente, mais sereno e sem mácula.

DELMAR MAIA GONÇALVES

(ESCRITOR e PRESIDENTE DO CÍRCULO DE ESCRITORES MOÇAMBICANOS NA DIÁSPORA – CEMD)

“TCHANAZE, a donzela de SENA” de CARLOS PARADONA RUFINO ROQUE



Uma obra em segunda edição (a primeira foi em 2009) que resgata a riqueza cultural ancestral africana e a aura de mistério que rodeiam as tradições e os mitos ancestrais africanos numa linha que deu continuidade mágica em “N´TSAI TCHASSASSA A VIRGEM DAS MISSANGAS”, o seu segundo magnífico romance de 2013 e depois do seu anterior, inicial e sereno navegar pela Poesia em “ GESTAÇÃO DO LUAR” em 1991.
O ressuscitamento e cruzamento ficcional de mitos, lendas, ritos e tradições ancestrais é a sua imagem de marca.
Estamos, portanto, perante um escritor Moçambicano e Africano de longo curso (porque nos oferece muitas possibilidades de leitura e releitura e, porque muito esperamos dele e da sua sagacidade, talento, engenho e da sua já consolidada maturidade na escrita).
A revalorização e convocação das tradições, dos ritos e dos mitos do grande ZAMBEZE será como que uma recuperação simbólica desse estado civilizacional anterior aos quase fatais golpes de força externos (colonização, aculturação e assimilação) e internos (independência, revolução, socialismo científico, monopartidarismo , pluripartidarismo, democracia, capitalismo e globalização), sua assumpção na escrita moçambicana em língua portuguesa que ganhou hegemonia, estrangulou-a, asfixiou-a, mas não a apagou nem apagará como prova este autor e esta obra e ainda outros autores como PAULINA CHIZIANE que a prefaciou ou UNGULANI BA KHA KOSSA que fazem abordagens ficcionais desconstrutivas, críticas e autocríticas das sociedades africanas ancestrais e actuais.
CARLOS PARADONA RUFINO ROQUE resgata com profundidade os valores tradicionais, valores próprios das culturas de tradição oral de um passado que nunca esteve nem estará ausente de/ em África, convocando-os do passado para o presente rumo ao futuro.
Não se trata de regressar ao passado, mas de trabalhar a modernidade sem renegar o passado ou virar as costas ao rico e vasto património cultural tradicional ancestral que urge hoje mais do que nunca preservar e revalorizar em memória escrita, ainda que ficcionada. É essa a missão do escritor.
Ao trazer estas formas e o imaginário africano, moçambicano e bantu da tradição oral para a sua obra, CARLOS PARADONA RUFINO ROQUE chama a atenção para todo o manancial e riqueza das culturas bantu moçambicanas mais profundas e enraizadas que já chegaram a ser rotuladas como meras superstições e puro exercício do obscurantismo, primeiro pelo colonialismo e depois pelos conturbados ventos da revolução moçambicana.
Nesta óptica, a recuperação dos valores ancestrais do mundo tradicional bantu, uma vez que é a rejeição clara de posturas exógenas, cumpre uma função histórica e pedagógica de um irreversível processo de desassimilação, de demarcação relativamente ao que é exterior e estranho à(s)  cultura(s)  genuinamente Moçambicana(s).
Podemos concluir dizendo convictos que a presença dos modelos de tradição oral neste autor é sabiamente orientada fundamentalmente por um espírito de afirmação claríssima da identidade cultural Moçambicana e da reafirmação inequívoca da identidade de uma literatura emergente e consolidada por um conjunto de autores variados de grande qualidade.
Por essa razão atrevemo-nos, pois, a afirmar que se quiserem conhecer as entranhas do MOÇAMBIQUE profundo, na misteriosa e labiríntica região do grande ZAMBEZE, mergulhem na aventura desta obra ficcional que este autor generosamente nos oferece.
Segundo o ilustre académico Moçambicano Lourenço do Rosário «As narrativas de tradição “oral” africana têm uma forte componente didáctico – moralizante», isto reflecte-se aqui na sua estruturação magistralmente construída, porque nos ensina que no MOÇAMBIQUE profundo por vezes oculto os vivos e os mortos, o visível e o invisível se entrelaçam na roda do mundo em que vivemos e por onde caminhamos na eterna dança do quotidiano ao som dos passos do batuque e que há saberes propositadamente ocultos ou adormecidos que devem ver a luz do dia. Por outro lado, não nos esqueçamos que foi indubitavelmente com o mito que a história humana sempre e em toda a parte começou; foi através do mito que os vocábulos, os símbolos originários tomaram a sua primeira forma e cada era nova da história os redescobriu à sua maneira. Ora, como se sabe o processo cultural de onde a literatura de MOÇAMBIQUE emerge tem grande parte das suas raízes mergulhadas no mito, vivificado no quotidiano e presente na visão religiosa ou animista “africana” e religadora do homem à terra e ao transcendente.
Bayete pois para o Escritor CARLOS PARADONA RUFINO ROQUE.



DELMAR MAIA GONÇALVES

(ESCRITOR e PRESIDENTE DO CÍRCULO DE ESCRITORES MOÇAMBICANOS NA DIÁSPORA – CEMD)

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

PREFÁCIO do livro “Olhar de uma Africana” de Margarida Tavares


Pediu-me a amiga e “soba” MARGARIDA TAVARES (uma verdadeira lição de vida em carne viva), das ilhas crioulas de CABO VERDE que escrevesse um prefácio em tempo record, para este “Olhar de uma Africana”.
O tempo foi curto para um empreendimento desta dimensão, natureza e responsabilidade, e o nível de auto-exigência desproporcional. Mas o que fazer? Dizer não? Como resistir ao apelo da África viva? Como resistir ao apelo da poesia? Como resistir à fraternidade humana? Como resistir ao apelo da Lusofonia?
A Autora, “mais um precioso pedaço de pau-preto disseminado pelo Mundo”, nas palavras da malograda e grande Poeta Moçambicana NOÉMIA DE SOUSA, abraça a Lusofonia como quem se embrenha num Poema inacabado para finalmente concretizá-lo.
Decifrar seu universo enigmático e singular, no plano de uma poética subjectiva, torna-nos ainda mais cúmplices de uma experiência ou conjunto de experiências que envolvem a própria vida.
Mas, não é verdade que cada ser humano é ele próprio uma ilha nascendo noutras ilhas?
Fica-nos a poética pujante e pungente de MARGARIDA TAVARES, uma mãe coragem de África, para com ela nos deliciarmos e descobrirmos também as ilhas que há em nós, individual e colectivamente, para finalmente redescobrirmos a maravilha da infalibilidade da interdependência.
Este livro, como a Autora, é de uma audácia que vale a pena descobrir.
Títulos como “Os líderes Africanos”, ”Regresso de um Emigrante”, ”Preto”, ”Africana”, ”Crianças Africanas”, ”Estudantes Africanos”, ”Cabo-Verdiano”, ”Continente Africano”, entre outros, provam que a África vai pulsando nas diásporas e sugerem o orgulho nas/das origens, o orgulho de ser Africano e um claro e pujante apelo fraterno da presença Africana no mundo. Na verdade, tudo o resto estará nas entrelinhas do subjectivo e secundário, que África não se encerra nunca nas páginas dos livros e MARGARIDA TAVARES cantá-la-á sempre e enquanto respirar e, ainda mais, sempre que um Leitor atrevido e sedento devorar esta obra que urge descobrir e redescobrir.
É fundamental, pois, que cada um de nós ao lê-lo, olhe bem para dentro de si próprio para adquirir a consciência da sua magnífica solidão que nos enriquece e enriquecerá sempre na diferença.
África essa continuará a dançar na autora ao som dos batuques, em nós Leitores e no Mundo, através destes belos, altivos e fraternais Poemas.

DELMAR MAIA GONÇALVES

(ESCRITOR e PRESIDENTE DO CÍRCULO DE ESCRITORES MOÇAMBICANOS NA DIÁSPORA – CEMD)

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Auto-biografia “Del Mar”




No Índico chamam-me “Menino do Mar” porque nasci lá perto, bem junto ao Rio dos Bons Sinais, em Quelimane. Sim, “Menino do Mar” e nunca me deram outro nome, que não este. E em mim moram Zambezes e Tejos. Há quem me chame “Mariñero”. No Golfo da Biscaia também me chamam “O Mar” e junto ao Mar Tirreno  chamam-me “Do Mar”. Curioso, nunca me lembrei de tanta coincidência junta, diziam as antigas lendas africanas, que lá nos mares distantes, bem longe, haviam abismos medonhos e profundos. Terei eu algum abismo profundo que abrigo desde tempos imemoriais? Sei, como corpo estranho, que me encontro preso nas entranhas de mares distantes mais a norte, junto ao Atlântico e a fala do mar Índico, que transporto ecoa ao longe, lá muito ao longe, faz tempo, muito tempo. Se eu não chegar ao meu destino, chegará o meu pequeno barco de sonhos, que procura um destino seguro.



Delmar Maia Gonçalves

( Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Agenda 2015 Literarte-CEMD




A agenda artístico-literária da Literarte/CEMD 2015 é um tesouro cada vez mais raro no contexto actual global em que vivemos e nos movemos. Na verdade, há viventes que tentam matar a poesia da vida, para que a descrença predomine. E sabemos bem que a poesia é vida. É missão por isso dos escritores, poetas e artistas plásticos devem remar contra a maré, declarando claramente alto e bom som – BASTA! Viva a Poesia da Vida!
Estamos perante um desafio gigantesco de empreendedorismo artístico, voluntarioso, que certamente dará os seus frutos. A perseverança triunfará finalmente sobre a descrença que, moribunda, sucumbirá!
Faça-se pois luz onde pouco ou nada se faz, onde nunca se fez e calem-se os rumores!
A arte da escrita reergue-se nesta agenda que trás consigo a grande virtude de criar pontes e marcá-las, provando que só desta forma se cumprirá o lema: “Abrindo os caminhos da Lusofonia!



Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

"Deambulações pela Escrita" de Ascêncio de Freitas



Há sempre escritores que deixam marcas na água. Ascêncio de Freitas é um deles. Na verdade, coloco-o no mesmo patamar e na senda de grandes escritores universais lusófonos como Jorge Amado, José Luandino Vieira, Ruy Duarte de Carvalho, José Saramago, Manuel Lopes, Lobo Antunes e Baltasar Lopes.
Com um percurso literário “sui generis”, sempre navegando entre Moçambique e a Península Ibérica, sempre soube aproveitar os contactos com as grandes correntes literárias modernas através do seu conhecimento profundo das ideias, história, modelos, estéticas e ventos que os vários “exílios” lhe proporcionaram e tão bem soube e sabe usar na arte da escrita.



Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

“LUÍS SOARES – UM ARTISTA QUE VÊ CLARO NA PRÓPRIA NATUREZA”





“Luís Soares – um artista que vê claro na própria natureza”

Sempre tive presente que os mares do Índico trazem consigo algo de mágico no restrito planeta das artes.
A verdade é que a “pérola do Índico” é banhada pelo oceano e quem lá se banha, marcará a diferença no mundo, dizem os búzios da inhaca.
Luís Soares, mestre da pintura e da cerâmica que tem o talento como bênção e é um navegador de todas as artes plásticas, confirma todas as sinas que um qualquer feiticeiro de Marracuene ou da Munhava predisseram.
Ninguém como ele passa com tanta mestria do gesto ao signo e do signo à figura.
Revelador de uma capacidade sui generis de criador artístico compulsivo, integra uma lista de elite proveniente de Moçambique que incluí nomes como Chichorro, Malangatana, Chissano, Shikani, Pádua, Naguib, Matsinhe, Canotilho, Morais, Maluda, entre outros.
Nele em especial a arte e a vida instalaram os seus movimentos perpétuos, os eternos retornos, desencadeados pelo sonho dos ventos invisíveis da criação que se vão tornando visíveis.
A arte revela-nos o ser em toda a sua extensão com uma noção de espaço alargada que vai da África profunda atingindo os cumes da Península Ibérica.
A sua policromia não engana.
Podemos então dizer que a poesia Índica do pincel navegou do Zambeze ao Tejo atracando serenamente em Cascais.

Bayete pois Poeta do Pincel !
Delmar Maia Gonçalves

(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Anotações “ O HABITANTE DA NOITE OU O LAVRADOR DE PALAVRAS” de Álvaro Fausto Taruma

“ O HABITANTE DA NOITE OU O LAVRADOR DE PALAVRAS”
O ofício da escrita definitivamente não é para todos. Podemos afirmá-lo com inteira convicção.
Mas neste caso específico é claro o talento nato da poética deste jovem autor Moçambicano que emerge das águas sagradas do índico.
Por isso, destemido, reivindica com razão “Um lugar onde possa fazer amor comigo mesmo, com os halos que se percutem na memória”, fazendo lembrar a fala de Zaratustra que terá dito “E logo que experimenta ternas emoções o Poeta pensa que a própria natureza está apaixonada por ele, e que se lhe acerca ao ouvido a sussurrar segredos e palavras carinhosas: é disso que se gabam e vangloriam perante todos os mortais”
Não deixa de ser significativo que esta obra tenha emergido das margens da Literatura Moçambicana onde abundam jovens com enorme potencial criativo, embora nem todos com este nível de maturidade. E tudo isto no momento certo, acrescentaria eu para completar a equação.
O tempo fará a necessária filtragem, que não nos cabe definir enquanto protagonistas da mesma arte.
Para quem o conhece bem certamente perceberá que há uma fusão permanente do autor enquanto poeta, do país que o viu nascer e o retêm e do homem que nele habita! Por isso, claro e conciso vai afirmando “Entristeço-me sempre que me revejo neste trapezista solitário no circo cada vez mais vazio e assustador de onde só se aplaude os malabaristas desenfreados da democracia”. Ouviram o poeta? Tê-lo-ão percebido?
A densidade das palavras não se mede pela sua extensão. É o que é, não é?
Por isso o vate mais uma vez e sem se deter acrescenta “De certo é belo o meu país mas deste modo custa-me vê-lo com a magia que empresto ao meu olhar, e não se espante no dia que tão cedo vier a bater-lhe a porta com uma carta de demissão nas mãos. Pois pensei, erradamente, que o fogo da paz pudesse arder tão alto, em labaredas laboriosamente trabalhadas sem faúlhas com falhas que nos pudessem prender à prisão claustrofóbica da escuridão”.
Felizmente este  poeta prova estar  acordado numa “escuridão” sem luz que o inspira!
Estranho? Nem por isso. Como dizia o poeta Libanês KAHLIL GIBRAN : “O homem é dois homens; um está acordado na escuridão, enquanto o outro dorme na luz”.
Lê-lo é rever a grande massa da juventude inconformada e por vezes rebelde que sonha novos futuros sem  deixar de navegar com a esperança como bússola.
Por isso diz convicto “De palavra em palavra se faz a minha lavra, expressa por entre os interstícios das páginas, que tal como os da terra se moldam, e decifra-se a safra que em frases se alonga, trespassados os ciclos ou as fases distintas, desde a veredicta semente ao chão inscrita até ao desabrochar do futuro em que a esperança acredita”.
É claro o navegar deste lavrador de palavras num punhado de versos cristalinos, transparentes, com a pureza de um mar despoluído e a maturidade de um velho imbondeiro guiado pelas sabedorias antigas.
Embora afirme lamentoso “Fui um errante certeiro nos arremessos que fiz”, dificilmente será um errante na arte da escrita. Na verdade, como dizia GIBRAN “A vida é uma procissão” e muitas luas nascerão, e por isso “ Possa Deus alimentar os superabundantes”!
Há um barco livre que habita os Poetas. Só o verdadeiro amor pela arte o consegue apreender e captar.
Segundo RILKE : “...o criador tem de ser um mundo só seu e tudo encontrar em si mesmo e na natureza a que se uniu”.
É o caso deste Poeta que tudo busca em si e no universo a que se uniu naturalmente, fundindo-se integralmente nele. Como prova a sua reivindicação pensada, quando diz : “Quero um barco onde eu seja veleiro dos meus próprios desejos, onde o remo e o mar se entrelacem num passo rumando aos meus ensejos”.
Terminaria citando VIRGINIA WOOLF que disse “As obras de arte são de uma solidão infinita e nada as pode abordar pior que a crítica” e acrescentaria eu que “Por isso se torna difícil analisar criticamente um autor e uma obra poética que respiram e transpiram magia pelos poros, e que a fluidez da escrita o denunciam de forma singular”!
É esta a vitória dos poetas, é esta a cruz, é esta a missão!!! E como acredito que a inteligência dos poetas e escritores precisa de viver num mundo mais amplo do que aquele a que as sociedades em que vivemos traçaram tão mesquinhos limites, só posso finalizar dizendo: “ BAYETE POETA TARUMA”!



Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora -CEMD )







.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Anotações para um possível Prefácio de "Dentro da Pedra que voa na metamorfose do Silêncio" de JAPONE ARIJUANE



“Dentro da pedra que voa na Metamorfose do Silêncio” de JAPONE ARIJUANE


Pediu-me o amigo confrade e conterrâneo Zambeziano JAPONE ARIJUANE que escrevesse alguma coisa sobre o seu Livro.Com muito gáudio o faço espraiando o que me vai na alma ao lê-lo, sendo certo que esta é a visão simultaneamente subjectiva e objectiva de um poeta sobre a obra de outro.Exercício de certo arriscado.
Se é correcto dizer-se que qualquer obra de arte é de uma profunda e infinita solidão, também o é afirmar-se que se o homem olhar para bem dentro de si, adquirirá a consciência da sua magnífica solidão que embora o isole singulariza-o, não o separando todavia do resto da existência.Claramente há no Eu-Poético indeléveis marcas de uma radical solidão interior carregada de vontades “Não tenho senão / essa vontade/ de me reinventar em palavras.”
Estou certo que aquele que é capaz de ouvir o que os outros dizem e não dizem, penetrando no pensamento com uma agilidade mental espantosa, estará sempre em condições de compreender mil e uma coisas diferentes de uma realidade sem nome e sem forma definida.
O elemento pedra adquire aqui uma importância fundamental , que é inaugurada no próprio título do Livro e atravessa a obra lapidarmente.E haverá elemento mais poético que a pedra que só a poesia consegue vitalizar?
Bem o diz o Poeta precocemente que “Já quis reformar essa coisa de poeta em mim…”, mas “os pássaros que voam de relance /na minha imaginação/ depilam pedra-a-pedra/ a minha sensibilidade.”.Não tenho dúvidas disso , comprovadas pela busca incessante na Mafalala dos trilhos galgados pelo Soba e Mestre Craveirinha, como que perseguido fatal e irremediavelmente pelos pássaros que traz e transporta consigo no peito que ora “…são pássaros de fogo e ferro” ora “…de sangue e carne”, e também pela sua indiscutível qualidade poético-literária.Poesia e muita verve, é o que nos oferece o vate Índico que se banhou nos Bons Sinais.
Por isso sente “saudades…/de sentir nos outros / as minhas emoções / emoções que jamais os outros / sentirão por mim…”
Verdade seja dita, os leitores não sentirão emoções pelo poeta, mas certamente sucederá a emoção pela degustação da sua poesia!Estou tão certo disso como São Tomé.Já os vejo deleitarem-se prazerosamente numa qualquer biblioteca ou numa esplanada cultural improvisada ou não.
Apesar da sua escandalosa modéstia ao afirmar “ A pureza do papel não me emociona / poderia fazer barcos de papel / poderia fazer barcos de poema / barcos de papel fi-los na infância / os de poema fazem-no os poetas.” Fazem-no os poetas?E ele que é um exímio ladrilhador de palavras?
Como dizia ponderadamente RILKE e faço minhas as suas palavras “…entre em si mesmo e examine as profundezas das quais a sua vida emana ; é na sua fonte que encontrará a resposta à pergunta sobre se deve criar.Assuma-a tal como lhe soa , sem dela duvidar.Talvez tenha a demonstração que está destinado a ser artista.”
Não direi portanto nada de novo ao recordar as sábias palavras de VIRGINIA WOOLF dirigidas aos jovens poetas que subscrevo inteiramente : “Deixe que as suas opiniões e juízos de valor tenham o seu próprio desenvolvimento calmo e imperturbável que, tal como todo o progresso, tem de vir do seu ser mais profundo que não pode ser forçado ou acelerado por coisa alguma.Deixar as coisas chegar ao seu termo natural e depois dar à luz.”Não é o melhor método o não – método?
Tenho a certeza que os poetas se revelam na generosidade com que se dão aos outros.A escrita sublinha a singularidade e a identidade únicas de cada um, que ficará ou não eternizado no verbo.
Pois como diz o poeta profeticamente “ A morte não é o fim / é a indiferença das coisas / à espera do novo dia.”
Tenho a certeza que pela força telúrica do verbo, os ventos lhe serão favoráveis , no nobre desejo que convicto o vate revela “ Há / em mim um desejo / de uma pedra / se tornar gente /para em silêncio / se retornar pedra.”
Entretanto , “É no silêncio da pedra / que se espelham as almas”.Mas no silêncio que apela,desafia,entranha, fermenta, grita, impele, interpela , planta, revolve e colherá o fruto inicial da impossibilidade da indiferença no / ao poeta.
Como dizia KAHLIL GIBRAN “Na verdade, falamos apenas para nós mesmos; contudo , falamos por vezes suficientemente alto para que outros nos consigam ouvir.”
Continue pois tecendo o pano da vida com os fios do coração!
Bayete Poeta do Índico!!!
Delmar Maia Gonçalves


(Escritor  e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora -CEMD)

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Semillas Divinas (Edição em Espanhol) de J. C. Bridon, com prefácio de Delmar Maia Gonçalves



PRÓLOGO (Semillas Divinas)
O que dizer quando um crente encontra a poesia nas entranhas da alma? E quando a poesia encontra o crente entranhado nela? E quando a poesia se entranha na crença? E quando a crença se entranha na poesia? E quando a poesia é o espelho da crença? E quando uma e outra se confundem?
Como dizia Virgínia Woolf “As obras de arte são de uma solidão infinita e nada as pode abordar pior do que a crítica” e acrescentava ainda “só  amor as pode apreender e preservar e ser justo com elas”. Por isso, se torna difícil analisar criticamente uma poesia que respira e transpira pelos poros de um amor pleno.
Mas quando o místico e a poética se fundem onde mora a solidão do criador artístico? Segundo Rilke “… o criador tem de ser um mundo só seu e tudo encontrar em si mesmo e na natureza a que se uniu”. É  o caso deste poeta que tudo busca em si e no universo místico a que se uniu, fundindo-se integralmente nele.
E para que tal suceda, é necessário que a busca interior aconteça e a fluidez transparente da sua escrita denuncia ter sido feita uma fusão natural numa caminhada singular de busca pela elevação espiritual, como o prova quando diz “en las noches calidas/ intento escuchar tu voz, Señor/ para com ellas crecer en la vida/ y tornar me uno contigo”.
A esperança e a fé continuam quando o autor sublinha finalizando insistente “en el amanecer sereno y calmo / dejo mi mente vagar/ y traer para mi vida/ tus más bellas y sublimes enseñanzas”.
Uma bela lição de humildade perante o omnipresente, perante a fé e a crença, num mundo de claro domínio da crise de valores e da ascensão de contravalores.
Como dizia o poeta Kahlil Gibran “A vida é uma procissão” e por isso “possa Deus alimentar os superabundantes”.
Força e em frente Poeta Júlio Cesar Bridon dos Santos!


Delmar Maia Gonçalves
( Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)




[traduzido para espanhol para a edição original do livro lançado no Chile]

PRÓLOGO
Lo que decir cuando un creyente encuentra la poesía en las entrañas del alma? Y cuando la poesía encuentra el creyente entrañado en ella? Y cuando la poesía se entraña en la creencia? Y cuando la creencia se entraña en la poesía? Y cuando la poesía es el espejo de la creencia? Y cuando una y otra se confunden?
Como decía Virgínia Woolf “Las obras de arte son de una soledad infinita y nada las puede abordar peor que la crítica” y añadía aún “sólo amor las puede incautar y preservar y ser justo con ellas”. Por eso, se hace difícil analizar críticamente una poesía que respira y transpira por los poros de un amor pleno.
Pero cuando el místico y la poética se funden donde vive la soledad del creador artístico? Según Rilke “… el creador tiene que ser un mundo sólo suyo y todo encontrar en sí mismo y en la naturaleza a que se unió”. Es el caso de este poeta que todo búsqueda en sí y en el universo místico a que se unió, fundiéndose íntegramente en él.
Y para que tal suceda, es necesario que la búsqueda interior acontezca y la fluidez transparente de su escritura denuncia haber sido hecha una fusión natural en una caminada singular de búsqueda por la elevación espiritual, como lo prueba cuando dice “en las noches calidas/ intento escuchar tu voz, Señor/ para com ellas crecer en la vida/ y tornar me uno contigo”.
La esperanza y la fe continúan cuando el autor subraya finalizando insistente “en el amanecer sereno y tranquilo / dejo mi miente vagar/ y traer para mi vida/ tus más bellas y sublimes enseñanzas”.
Una bella lección de humildade ante el omnipresente, ante la fe y la creencia, en un mundo de claro dominio de la crisis de valores y del ascenso de contravalores.
Como decía el poeta Kahlil Gibran “La vida es una procesión” y por eso “pueda Dios alimentar los superabundantes”.

Fuerza y enfrente Poeta Júlio Cesar Bridon de Santos!


Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)


quinta-feira, 29 de maio de 2014

Comentário sobre o livro "Reflexões de um esquizofrénico" de Franklin Mano



"Sempre fui um Questionador inveterado. Bebo desde tenra idade o néctar da rebeldia marginal.
Talvez por isso, estejamos em sintonia, apenas separados pelo Mar Atlântico. Breve, profundo, reflexivo, transparente, com efeito de espelho da Condição Humana. Um olhar auto-crítico e crítico muito singular, neste mundo Plural e Heterogéneo. Tal como dizia Sartre e aqui se confirma ‘Um Homem, nunca é um indivíduo; seria preferível nomeá-lo Universal Singular’. Que a tua obra Literária continue desbravando caminhos, questionando sempre, para que haja finalmente a possibilidade da revelação de novos mundos desconhecidos da grande Família Humana."

Delmar Maia Gonçalves

(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)
Zambézia/Moçambique

www.delmarmg.tk

segunda-feira, 21 de abril de 2014

MESTRE JOSÉ PÁDUA, O POETA DO PINCEL



O Mestre do traço fácil, das linhas esguias, livres, elegantemente vestidas do nosso solo pátrio “Moçambique”, não engana, continua pintando no tempo a caligrafia da nossa dor. Pois, a vida ainda dói. Incompreensivelmente ainda dói e ele canta-a com a cromia ou monocromia dos eleitos. Não sei se é a paisagem humana que habita nele ou se não será ele próprio a habitar a paisagem que obsessivamente namora e acarinha com o seu pincel.
São raros os mestres  da pintura que captam o vento que liberta as asas do condor!
A poesia que o enreda tem a marca dos sobas africanos, pois, com a sua capacidade facilmente nos transporta para as profundezas do coração moçambicano.
Encontramos na sua pintura o equilíbrio entre o seu eu interior profundo e o mundo, entre o seu ser e as emoções do seu fabuloso e mágico imaginário.
As grandes obras de arte dos grandes mestres da pintura são de uma solidão infinita e simultaneamente de uma abrangência universal que abraça e abarca o mundo.
Pádua não escapa a esse destino.
Sia –vuma Mestre!

Delmar Maia Gonçalves

(Poeta e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora – CEMD)

In Catálogo da Galeria Artur Boal da Exposição de Homenagem ao Artista Plástico José Pádua



sexta-feira, 18 de abril de 2014

Nota Introdutória da Antologia "De Corpo Inteiro"




“Basta um olhar para te sentir
Basta um sorriso para te compreender.”


Este 4º Festival Internacional de Poesia “Grito de Mulher” resulta duma enorme vontade do Movimento Internacional de Mujeres Poetas Internacional e do CEMD de homenagear a mulher - “mulher de corpo inteiro”  – a mulher mãe, a mulher irmã, a mulher esposa, a mulher amante, a mulher santa, a mulher prostituta, a mulher deusa e, portanto, a mulher enquanto Ser Humano que complementa e completa o homem, tornando o mundo mais colorido e belo.
A presença da mulher em qualquer circunstância ou contexto torna as sociedades mais harmoniosas, reforçando os laços emocionais que nos ligam e massificando pelos valores a sensibilidade em contexto, lugares e circunstâncias, que de outra forma, dificilmente se manifestariam.
As diferenças que nos separam, são aquelas que, simultaneamente, também nos unem.
No caso da mulher, esse ser belo e envolvente, acontece mesmo que a sua presença nos enriquece pela diferença. Com ela encontramos, equilíbrios, sintonias, unanimidades e consensos, mesmo nas coisas mais díspares.
É por tudo isto, o que ela representa, de sorriso aberto, de olhar perfeito, de corpo inteiro, uma homenagem justíssima, com bons augúrios da Primavera que floresce.
Siavuma para todas as mulheres do mundo inteiro!



Delmar Maia Gonçalves
(Escritor ,Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD e Curador do FESTIVAL GRITO DE MULHER )

Solidariedade com a Palestina


sexta-feira, 7 de março de 2014

Texto de contracapa do livro "Poalha de MossaM'Biki" de Ribeiro-Canotilho


Ribeiro-Canotilho, um vate moçambicano, das artes e das letras, ancorado em terras lusas, navega no mar Atlântico fisicamente e  no Índico espiritualmente. 

Sua poesia carrega  a força das palavras Lusófonas, impregnadas dum lirismo europeu clássico e, simultaneamente, emprenhadas de moçambicanidade. Memórias zambezianas, laurentinas e lusas, de quem as guarda religiosamente e que se cruzam e se casam harmoniosamente nesta sua obra Poalha de Mussam’Biki. 

Bayete para o Poeta!


Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

Nota Editorial da Revista Cultural Licungo nº1



A revista cultural Licungo, de carácter semestral, literariamente coordenada por mim e pela segunda vez editada, (re)nasce renovada no seio do CEMD Edições. Inequivocamente de uma grande vontade de irmos mais além nos nosso objectivos previamente definidos.
A construção de pontes, hoje, mais do que uma vontade, é já uma certeza e a solidez com que se alicerça, uma enorme convicção. Só se constrói Lusofonia desta forma, com projectos que se concretizam, que envolvem e entusiasmam todos os protagonistas. E a promoção dos autores moçambicanos, vai sendo reforçada e acarinhada, cumprindo o velho sonho que sempre tive enquanto fundador deste Círculo de Escritores. Não poderei de mencionar o enorme e apurado trabalho gráfico, estético e organizacional da poeta portuguesa Vera Novo Fornelos e da excelente artista plástica moçambicana Lara Guerra e as cordiais relações de cumplicidade humana que nos unem, prova viva da lusofonia. Continuo a acreditar firmemente que neste “poema” chamado lusofonia, os oceanos que nos separam trar-nos-ão sempre o barco que nos une. Num universo que se unifica diariamente faz sentido a composição no sentido de mutuamente nos enriquecermos na diferença. Cumpramos, pois, a Lusofonia.

Delmar Maia Gonçalves

(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

Nota editorial da Revista Cultural Milandos da Diáspora



O Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora inicia com esta edição em revista literária (formato de livro), um ciclo que marcará a nossa associação e o departamento editorial da mesma.
Na verdade, antes desta publicação, já havíamos editado o Boletim “Milandos da Diáspora 2012” e apresentado no IV Encontro de Escritores Moçambicanos na Diáspora.
É nestas pequenas realizações, que se poderá construir Lusofonia, sem esquecermos nunca a ambição de irmos mais longe. A Lusofonia não pode viver de palavras.
Por outro lado, a aposta na Língua Portuguesa não deve significar o desprezo e o desinvestimento nas outras línguas “nacionais” de todo o espaço Lusófono, nomeadamente, em Angola, Moçambique, Guiné-
Bissau, Brasil, Timor-Leste, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Galiza, Macau, Goa e Portugal (lembram-se do Mirandês?).
Os linguistas, professores, investigadores e, sobretudo os poetas e escritores, têm uma grande responsabilidade perante os seus povos e países.
Devem dar um contributo para o desenvolvimento das línguas nacionais, empreendendo um trabalho aturado de escrita, para o que deverá contribuir e muito, por exemplo, a Língua Portuguesa.
Congratulamo-nos pois, com a colaboração neste número, de todos os autores amigos de Moçambique e dos Moçambicanos. Nas nossas diferenças reside a nossa grande riqueza.

Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente da direcção do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

BREVE NOTA INTRODUTÓRIA da Antologia dos Silêncios que Cantamos



Ao publicarmos esta Antologia Dos Silêncios que Cantamos, concluímos com sucesso a construção da ponte da palavra que iniciámos com as apresentações anteriores da Antologia Universal Lusófona Rio dos Bons Sinais e as Revistas Milandos da Diáspora e Licungo, que já incluíam autores moçambicanos na diáspora e na pátria mãe.
Um esforço fraterno que vai de encontro aos objectivos definidos pelo CEMD e dos quais não abdicaremos. Acre-ditamos firmemente, que as palavras são sempre reveladoras, mas os silêncios também.
Esperamos que esta antologia deixe marcas nas águas índicas da palavra e que os caminhos atlânticos se continuem a cruzar nos vates do Índico. Sendo certo, que a travessia se tornará mais deslizante e profícua, cantemos, então,  a beleza e o espanto, pois solitários permaneceremos.

Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora)

Apresentação da Antologia Luiz Vaz de Camões e convidados


Uma homenagem ao poeta-mor e maior de Portugal significa responsabilidades acrescidas. E a Literarte assumiu esse compromisso por amor à poesia e à língua portuguesa, falada e escrita nos quatro cantos do mundo. A arte traz consigo sempre a certeza das incertezas. Mas é aí que reside o belo. Porque os poetas não podem, nem devem jamais, perder a virtude da beleza e do espanto permanente, é preciso crer, é preciso acreditar.
E na poesia abundam as palavras doces e sensatas para atenuar as amarguras, como recorda o velho e sábio provérbio africano: «As palavras sensatas são como a cana-de-açúcar que não se deixa de sugar; o seu sabor não se pode esgotar.»
A diversidade criativa, Literária e estilística é uma bênção que só através de ambiciosos e independentes projetos como os da Literarte, se poderão potenciar e desenvolver, para finalmente se afirmarem.
«As palavras deixaram de jogar, as palavras fazem o amor», já dizia André Breton e aqui se confirma neste Encontro/Reencontro de vozes heterogéneas confirmando também outro poeta maior, Fernando Pessoa, «Para ser grande sê inteiro».
Da janela Ibérica do Atlântico, o Índico abraça o imenso oceano da Língua Portuguesa, concretizando a Lusofonia. E é quando estou na poesia, que tudo, mas tudo, me parece profundamente claro.


Delmar Maia Gonçalves
(Escritor ,Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora -CEMD e Conselheiro da Literarte para Moçambique)
  

Prefácio do livro " A Lua de N'Weti" de Sónia Sultuane


PREFÁCIO
Por DELMAR MAIA GONÇALVES
Dizia-me a Autora deste belíssimo livro, escrito numa linguagem acessível, simples e cristalina, podendo afirmar-se mesmo, que perpassa a candura e a inocência poética da infância (que é o centro crucial do furacão da vida), e que vivamente recomendo, como quem me segreda sabiamente o   silêncio das pedras que gritam e só o coração responde, que tinha de ser “eu” o prefaciador, assim mesmo como um pássaro que assobia aos seixos.
Obrigado digo eu vida que me trouxe aos meus sentidos!
Com uma sensibilidade à flor da pele, guiada pela lua, escreveu a história que dedica a filha que não teve. Não tenho dúvidas que se trata de uma poética “declaração” de amor incondicional à lua. A lua que cabe nas mãos do mundo que a abraça e ampara permanentemente, incondicionalmente.
Não falarei pois do Livro ou da história, mas irei deixando marcas nas águas índicas deste e da sua Autora, um pouco  como os irmãos moçambicanos de etnia Makonde, que sabem que havendo uma aura de mistério e segredo rodeando  a preparação das  máscaras e a dança propriamente dita, sendo, por  exemplo, importante que  não se  saiba   a identidade  do dançarino, todos querem ficar para   descobri-lo.
Ela  murmura esse segredo aos quatro ventos “lunares” e conta-nos  como quem guarda muitas crianças dentro de si e precisa de respirá-las. Diga-se de passagem, que, sempre  cúmplice,  adormece ao colo da lua que a aconchega e serena. Há algo de mágico e revigorante neste “ritual”.
A lua faz parte desde sempre das mitologias das grandes civilizações antigas, mas também das contemporâneas e está presente em múltiplos aspectos e questões fundamentais das sociedades modernas, atravessando mares e oceanos, percorrendo continentes.
E quantas vezes não ouvimos falar dos mitos associados às noites de lua cheia?
O que dizer desta misteriosa relação de magnetismo puro que atrai amor, fascínio  e medo em simultâneo, e que dominava N’WETI?
Esta menina que teve sempre o coração dividido entre a  inocência pueril, a tradição mítica e a misteriosa, mágica, solitária e bela companhia  amiga da lua, que nos ilumina e renova.
Mas quantas vezes  não  nos acontece desvalorizarmos o que temos por garantido e valorizarmos apenas  o que não temos ou nos parece inacessível? E não é comum o temor ao desconhecido?
Só a vida e as circunstâncias ensinaram N’WETI que sentir a longa ausência da lua era como correr desesperadamente em volta de uma montanha e não encontrar a forma de lhe descobrir a passagem. E a planta da sua vida já não podia dispensar a presença e companhia reconfortante da lua.
Depois, dizem as lendas: «sempre que  a lua nasce, nasce também algures um pequeno “princípe” ou “princesa” que iluminará o mundo com seu perfume singular».
A lua banha-nos a alma e a esperança adormecida.
Não nos esqueçamos nunca que as lendas são a poesia da história. Poderíamos viver sem elas?
Como dizia e bem KAHLIL GIBRAN , «existe um espaço entre a imaginação do homem e a  sua realização, apenas transponível  pelo seu desejo».
Oxalá, então, que sejam muitos os que querem embrenhar-se nesta história, com poesia da lua. E que fique eu definitivamente calado como um pássaro Xirico sentado aos pés de uma pedra, a ver entrar decidida e magicamente pelo ar dentro das pessoas esta história acetinada de sensibilidade  da SÓNIA SULTUANE.
Karingana Ua Karingana…! Karingana!!!
Karingana Ua Karingana…! Karingana!!!
“A LUA DE N’WETI”

DELMAR MAIA GONÇALVES
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos - CEMD)


Prefácio do livro "A vida inspira-nos" do poeta angolano Márcio Batalha



Qualquer literatura tem o seu futuro assegurado quando possuí jovens autores a iniciarem-se na carreira literária. Doutra forma, que continuidade seria assegurada e quem a asseguraria? Afinal, Angola está viva, bem viva na Literatura  que produz com  o prolífico activismo cultural dos Jovens da Brigada.
O grito que aqui surge é o de um jovem escritor angolano, que,  sendo defensor do Status Quo, tem os olhos postos no futuro e sonha de olhos abertos um futuro melhor para Angola, com união, paz e harmonia e também a nível pessoal.
E quem disse que só auguram um futuro promissor apenas os defensores do caos? Também há as vozes da razão e do bom senso.
Depois, há o amor. Amor que o autor a todos tem para dar e nada mais. Nada mais? Muito mais, que o passado é um cadáver que deve ser arrumado  numa gaveta sem fundo e fechada a sete chaves para que o amor respire e ressurja com a força de um leão e à velocidade estonteante de uma impala e, finalmente, permanecer, mas como um furacão que nunca é violento, por isso, permanece sobrevivendo às tormentas. Com o amor tudo volta ao normal e o grito transforma-se em canto. Ouvem-no? Oiçam-no. Tem melodia e verve. É esta a força poética do verbo que este poeta nos transmite convidando-nos ao efeito de espelho.
Ao lermos com atenção cada um dos seus poemas, sentimo-nos convidados à auto-reflexão, assim como um “xirico”, que escuta melodiosas canções, que nos inquietam mais do que nos embalam. Não é o Ser Humano o buscador incessante da perfeição?
É que, até as máscaras da vida que usamos, são do mais profundo e labiríntico dos mistérios. E o erro? Quem disse que o erro não faz parte do nosso processo de crescimento e maturação?
Nunca nos esqueçamos que só poderemos julgar os outros pelo conhecimento que tivermos de nós mesmos. E quem disse que o amor é um projecto perfeito de adivinhação sem tormentos? Depois, bem dizia o poeta libanês Khalil Gibran “O homem é dois homens; um está acordado na escuridão, enquanto o outro dorme na luz”. Quase sempre o julgador está preso na cela do seu julgamento, enquanto o julgado expectante tem um amplexo aberto para partilhar. Por vezes, é preciso procurar todos os homens para nos conhecermos a nós mesmos.
Como dizia, mais uma vez Khalil Gibran“ A realidade do outro não está naquilo que te revela, mas naquilo que não pode revelar-te”.  Não é por acaso que se diz que os poetas são uma espécie de vendedores de passados que anunciam um futuro que não foi. E que é feito do presente? Na poesia não há impossíveis, também por isso “A Vida inspira-nos”. Basta que o/a leitor/a a devorem depois de esta alimentar insaciavelmente o inspirado Vate.
Bayete Poeta Márcio Batalha!
Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

A Poeta da Utopia



Bom seria, que eu, enquanto poeta e prefaciador, fosse capaz de resumir a força do verbo que esta poeta vianense transporta e transmite. E a força de natureza poético-literária pode ser travada? Bem o diz a poeta em “Culto Oculto” : “ouço os vossos pensamentos/… nada em vós me é oculto/ penetro no vosso culto” e remata “e o que era estranho e escuro/ ilumina-se num coração puro”.
Em que momento a poeta e sua poesia pungente não se fundem e confundem formando um “corpus” único? A fusão acontece com a intensidade poética de uma flauta, como afirma “Procurei o silêncio/ no meu silêncio/ e escutei uma flauta/ que vibrava intensamente/ não há silêncio/ no meu silêncio…”.
A sua estreia no singular como autora de obra individual, não a coíbe de convicta reafirmar o que facilmente descobrimos ao lê-la “uma jazida de ideias/ é o que eu sou (…) uma dualidade sinergética/ que faz surgir as ideias”.
Depois, há sempre o sabor titubeante e quimérico das palavras que se desfolham e desnudam. Por vezes, a ternura também fere e, por vezes, também encanta. Das memórias se fazem histórias e  das histórias, poesia. Por isso, profética, reclama “Não há um caminho/ meio andado/ nem dois por andar/ mas um destino/ ainda por chegar”.  São memórias de quem as guarda no baú da sua “meninice” e no auge da sua maturidade como um tesouro. E bem se define ao afirmar “Sou um livro/ publicado/ na mortalha/ de um cigarro/ queimado”.  A emoção à flor da pele, com a palavra certeira, como uma arma que procura o alvo sem ferir, mas evita o falhanço ao constatar “se parar para pensar/ vou ouvir o vento/ e se o vento for o pensamento/ vai voar/ vai se libertar/ das amarras do tempo”.
Sensibilidade poética, que capta a essência do poeta numa rajada ao resumi-la cantando “A alma dum poeta/ é feita da quinta essência do Universo/ é alma desfeita/ e refeita num só verso”. E quem pode mudar o destino de uma poeta que vive numa roleta oculta e, que, paciente, define “A espera” como “uma  lamparina/ que se incendeia/ de esperança”? Bem nos avisa como leitores atentos “Compreende/ o voo/ das aves/ não te detenhas/ na articulação/ das suas asas”.
E um ciclo novo se abre com esta obra, quimericamente objectiva, que nos alerta para o “Culto Oculto”. Haja, pois, um diálogo genuino entre o leitor e a autora da utopia convicta, pois “A vida/ segue/o seu percurso/ natural/ como um rio/ que fluí/ voluntariamente”.
Bayete Poeta!


Delmar Maia Gonçalves
(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

terça-feira, 4 de março de 2014

A propósito de “Doze contos meio poema” de Krishnamurti Góes dos Anjos



Se um dia puder, escreverei um tratado da bajulação dos críticos literários, pois, não concordo com ela em absoluto, embora considere útil uma crítica literária séria, honesta e construtiva.
Por isso, sendo eu um escritor anti-bajulação, não tenho motivos para ser intelectualmente desonesto. Na verdade, são poucos os escritores que admiro, como ao meu grande ídolo Gabriel Garcia Marquez. Li o livro de Krishnamurti Góes dos Anjos e só posso oferecer considerações elogiosas. Pela riqueza vocabular e estilística, pela maturidade da linguagem e pela sua grande capacidade de criação de enredos. São raros os escritores que apresentam esta característica especial, de sondar, viver e conviver intimamente com os pensamentos e sentimentos íntimos e profundos dos personagens que eles próprios criaram, observando-os, animando-os e modelando-os.
Um contador de histórias nato, que cruza a realidade vivida, com a realidade sonhada, fundindo-as.
A preocupação primordial do autor com a realidade e as diversas leituras que esta suscita são o motor da sua escrita. Paixão, verve, ondas de criatividade e um turbilhão de pensamentos cruzados numa espécie de vendavais, onde o quotidiano serve de chão ao desafio de olhar o mundo.

Por tudo isto, vale sempre a pena a experiência da leitura de Krishnamurti Góes dos Anjos.


Delmar Maia Gonçalves

(Escritor e Presidente do Círculo de Escritores Moçambicanos na Diáspora - CEMD)

sábado, 22 de fevereiro de 2014

A IMPORTÂNCIA DOS PROFESSORES


Toda a gente terá tido um professor ou professora na infância,na adolescência ou juventude que o marcou para sempre na vida.Comigo sucedeu o mesmo,para não fugir à regra.

Guardo boas memórias de alguns deles;esqueci-me dos piores, paciência!
De resto,quando algo corria mal na ESCOLA,minha sábia avó RITA MACHADO,que mais parecia um General desarmado e de saias,defendia-me disparando inteligentemente e de pronto «É capaz a Professora estava mal disposta e não deu bem a aula!» Pronto. 
Na minha QUELIMANE natal,tive na ESCOLA ESPECIAL DA 4ªCLASSE DE SINACURA,do ensino Primário,uma professora moçambicana de nome BERTA,que guardarei para sempre no coração.E era também minha Catequista na CATEDRAL NOVA.Um anjo africano e um doce de pessoa.
Sempre competente e exigente ,mas simultaneamente meiga e dócil!
Depois,como poderia esquecer-me do implacável, exigente, mas também carinhoso Professor JAFAR? Este Professor de Língua Portuguesa,que nos exigia o domínio da Gramática e da Língua Portuguesa na 5ª e 6ª CLASSES, da antiga ESCOLA PREPARATÓRIA 25 DE JUNHO, e anterior ESCOLA PREPARATÓRIA DE QUELIMANE ,actual ESCOLA PRIMÁRIA DE 2ºGRAU PATRICE LUMUMBA DE QUELIMANE, tinha por hábito afirmar repetidamente no seu Português perfeito «Eu sou um cooperante Indiano e domino a Língua Portuguesa. Vós que sois Moçambicanos e tendes esta Língua como oficial,não a dominais?»
Não gostava nada de vê-lo furioso,só de ouvi-lo levantar a voz por um qualquer disparate nosso,e o vale de lágrimas ou a vara de tremeliques abundavam.
Nessa altura,tornei-me num dos melhores alunos na Gramática e na Língua Portuguesa das turmas da 6ªClasse,daí ter recebido um Prémio de Emulação Socialista.
Tanto as provas escritas,como as orais foram papinhas saborosas!E tudo graças ao engenho e génio do Professor JAFAR,um modesto cooperante Indiano.
Mais tarde, já na 7ªClasse,tive um outro excelente Professor de nacionalidade CUBANA de nome DIONISIO,na disciplina de Matemática,que me chamava carinhosamente de " Marinero"e me dizia com insistência simpaticamente «Del Mar, vas a ser un Marinero!»
E tinha razão!Sou mesmo um Marinheiro,mas do Mundo!
Nunca gostei tanto de Matemática,e as notas dispararam em sentido ascendente.
O segredo?A alegria contagiante de estudar Matemática que ele transmitia aos alunos!
Finalmente,já em Portugal e ainda no ensino Secundário,na ESCOLA SECUNDÁRIA DA PAREDE,antigo LICEU DA MADORNA,uma Professora de Língua e Literatura Portuguesa e ainda de Língua Francesa,que dava pelo nome de GABRIELA e que jamais esquecerei. 
Com ela voltei a sentir um gosto especial e quase obsessivo pela Gramática,pela Literatura em geral ,pela Poesia,pelas Figuras de Estilo(até me pedia que explicasse aos colegas,embora eu fosse muito tímido),pelas Línguas Portuguesa e Francesa e por outro lado,foi graças a ela que participei e venci o 1ºConcurso de Jogos Florais da ESCOLA SECUNDÁRIA DA PAREDE.Seguir-se-iam outros Prémios importantes,incluindo um PORTUGUÊS.
Foi ela também, que com a POETA MOÇAMBICANA NOÉMIA DE SOUSA e a ESCRITORA e POETA PORTUGUESA MATILDE ROSA ARAÚJO(já falecidas) me incentivaram a publicar em Livro os meus Textos em Poesia,Prosa-Poética e Prosa.
E até hoje não mais parei.
É evidente que outros Professores houve que foram igualmente importantes, mas estes ficaram para sempre no meu coração.
Jamais os esquecerei. Devo-lhes isso eternamente.


DMG